Você sabe o que é MEMÓRIA MUSCULAR?

Sempre ouvimos falar, principalmente em academias, sobre a memória muscular.

Mas o que é essa memória? Todos os esportes induzem à esta memória?

Vamos as respostas!!

As células do corpo contém núcleos, um, dois...depende de sua função e estrutura. Já a células musculares possuem mais do que um núcleo, podendo chegar a conter centenas de núcleos.

Os músculos precisam de um número maior de núcleos porque são muito maiores e estas células muito mais complexas do que outras células do corpo. A presença de apenas um ou dois núcleos é insuficiente para controlar as funções musculares, saiba que os núcleos são os centros de controle que comandam as funções celulares.

Quando a massa muscular aumenta de tamanho (hipertrofia), é necessário adicionar mais núcleos. Significa que quando é preciso parar de treinar por um período, uma vez que o músculo reteve uma grande quantidade de núcleos enquanto em treinamento, estes núcleos ficam dentro da célula muscular , guardados...  e quando há o retorno ao treinamento,irá ser mais fácil aumentar a massa muscular até ao seu tamanho anterior. Esses núcleos agem como “células de memória”, recordam-se da quantidade de massa muscular que você tinha antes de ter parado de treinar.

Já em outros esportes, como os de Resistência ou Endurance, há perdas mais relevantes das capacidades específicas com a interrupção dos treinamentos.

Estas modalidades necessitam de adaptações fisiológicas que ocorrem através dos

estímulos crescentes do exercício provocando alterações morfológicas e funcionais para alcançar o nível desejado de treinamento. Mas quando os estímulos são cessados, o desportista ( não estamos falando em atletas de elite nestas modalidades) perde as adaptações conquistadas.

A diminuição da capacidade de treinamento ocorre rapidamente, em apenas uma semana de descanso,  observa-se queda de 6 a 7% no consumo máximo de oxigênio (VO2 máx.), na capacidade de trabalho físico, hemoglobina total e volume sanguíneo ejetado pelo coração (débito cardíaco). Em geral, os benefícios do treinamento são totalmente perdidos após um período de 4 a 8 semanas sem estímulos. A Capacidade de força vital (músculos respiratórios) chega a 35% de diminuição, já nos músculos a capilarização retorna aos níveis iniciais (pré-treinamento) implicando em menor fluxo sanguíneo para as células musculares em atividade, bem como, menor oferta de oxigênio e nutrientes. A Capacidade de Endurance é perdida após 2 semanas de inatividade, onde o metabolismo muscular se torna menos eficiente e o indivíduo resiste menos tempo ao esforço.

Então a “memória muscular” que favoreceria o desportista ao retorno mais rápido aos seus treinos, é perdida com o destreinamento, pelo menos em termos metabólicos, e nos esportes de endurance e resistência, já na Musculação ocorre que a memória muscular é ativa, devido às celulas musculares possuírem vários núcleos que não se perdem com o destreinamento. Considerando que este fator ocorre em pessoas mais jovens, porque com o passar dos anos há o envelhecimento natural e perda de algumas capacidades decorrente da idade.

REFERÊNCIAS

FERNANDES  E COLABORADORES. Determinantes moleculares da hipertrofia do músculo esquelético mediados pelo treinamento físico: estudo de vias de sinalização. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. Vol. 7. Num. 1. 2008.

MARQUES JR, N.K. Adaptações fisiológicas do treino de força e potência em atletas de desportos de potência. Revista Mineira de Educação Física. Vol. 13. Num.2. 2010

LARISSA CUNHA © 2017 BE/

Submitting Form...

The server encountered an error.

Form received.

Sempre ouvimos falar, principalmente em academias, sobre a memória muscular.

Mas o que é essa memória? Todos os esportes induzem à esta memória?

Vamos as respostas!!

As células do corpo contém núcleos, um, dois...depende de sua função e estrutura. Já a células musculares possuem mais do que um núcleo, podendo chegar a conter centenas de núcleos.

Os músculos precisam de um número maior de núcleos porque são muito maiores e estas células muito mais complexas do que outras células do corpo. A presença de apenas um ou dois núcleos é insuficiente para controlar as funções musculares, saiba que os núcleos são os centros de controle que comandam as funções celulares.

Quando a massa muscular aumenta de tamanho (hipertrofia), é necessário adicionar mais núcleos. Significa que quando é preciso parar de treinar por um período, uma vez que o músculo reteve uma grande quantidade de núcleos enquanto em treinamento, estes núcleos ficam dentro da célula muscular , guardados...  e quando há o retorno ao treinamento,irá ser mais fácil aumentar a massa muscular até ao seu tamanho anterior. Esses núcleos agem como “células de memória”, recordam-se da quantidade de massa muscular que você tinha antes de ter parado de treinar.

Já em outros esportes, como os de Resistência ou Endurance, há perdas mais relevantes das capacidades específicas com a interrupção dos treinamentos.

Estas modalidades necessitam de adaptações fisiológicas que ocorrem através dos

estímulos crescentes do exercício provocando alterações morfológicas e funcionais para alcançar o nível desejado de treinamento. Mas quando os estímulos são cessados, o desportista ( não estamos falando em atletas de elite nestas modalidades) perde as adaptações conquistadas.

A diminuição da capacidade de treinamento ocorre rapidamente, em apenas uma semana de descanso,  observa-se queda de 6 a 7% no consumo máximo de oxigênio (VO2 máx.), na capacidade de trabalho físico, hemoglobina total e volume sanguíneo ejetado pelo coração (débito cardíaco). Em geral, os benefícios do treinamento são totalmente perdidos após um período de 4 a 8 semanas sem estímulos. A Capacidade de força vital (músculos respiratórios) chega a 35% de diminuição, já nos músculos a capilarização retorna aos níveis iniciais (pré-treinamento) implicando em menor fluxo sanguíneo para as células musculares em atividade, bem como, menor oferta de oxigênio e nutrientes. A Capacidade de Endurance é perdida após 2 semanas de inatividade, onde o metabolismo muscular se torna menos eficiente e o indivíduo resiste menos tempo ao esforço.

Então a “memória muscular” que favoreceria o desportista ao retorno mais rápido aos seus treinos, é perdida com o destreinamento, pelo menos em termos metabólicos, e nos esportes de endurance e resistência, já na Musculação ocorre que a memória muscular é ativa, devido às celulas musculares possuírem vários núcleos que não se perdem com o destreinamento. Considerando que este fator ocorre em pessoas mais jovens, porque com o passar dos anos há o envelhecimento natural e perda de algumas capacidades decorrente da idade.

REFERÊNCIAS

FERNANDES  E COLABORADORES. Determinantes moleculares da hipertrofia do músculo esquelético mediados pelo treinamento físico: estudo de vias de sinalização. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. Vol. 7. Num. 1. 2008.

MARQUES JR, N.K. Adaptações fisiológicas do treino de força e potência em atletas de desportos de potência. Revista Mineira de Educação Física. Vol. 13. Num.2. 2010

Você sabe o que é MEMÓRIA MUSCULAR?