A SAÚDE NÃO TIRA FÉRIAS! Período de Destreinamento

Nesta época do ano é comum as pessoas darem o máximo de si em seus treinamentos visando o shape perfeito para o “verão”.

Às vezes sem cuidados médicos/nutricionais, buscando apenas a estética.  Treinar forte até o Natal ou não Novo é comum, mas o que acontece após estas datas? Quando o objetivo foi alcançado? Muitos simplesmente PARAM... e só voltam após as férias.

Vamos dar uma olhada no ponto de vista fisiológico do nosso corpo, onde a retomada aos exercícios, após as férias,  nem sempre é uma tarefa fácil.

Este período é denominado  período de “destreinamento”. Esta pausa, dependendo da duração, pode causar prejuízos leves até alterações mais severas no organismo e no seu condicionamento físico ou muscular. Então, quanto mais tempo parado, mais seu corpo será afetado.

Os prejuízos dependem de alguns fatores como: o tempo que já estava treinando, histórico alimentar e de treinamento, estilo de vida associado à atividade física. Ainda individualidade fisiológica, frequência, tipo de modalidade e intensidade de treino.

Estudos e pesquisas científicas relacionados a esse tema, apontam que as reduções na capacidade física começam a ser sentidas a partir de 10 dias sem treinamento.

Alguns dados relevantes:

A retirada do estimulo do treinamento produz perdas significativas no condicionamento físico:

Sistema Cardiorrespiratório

-VO2 máx. = diminui 4 a 20% após duas ou mais semanas de inatividade

-Capacidade de força vital (músculos respiratórios) = 35% de diminuição

Metabolismo

Em poucos dias ocorre aumento da produção de lactato em relação à mesma carga de treino (após o destreinamento) indicando maior consumo de carboidratos e menor de gorduras.

Músculos

-Capilarização: retorna aos níveis iniciais (pré-treinamento) em 4 semanas de inatividade, implicando em menor fluxo sanguíneo para as células musculares em atividade e  diminuição  na oferta de oxigênio e nutrientes.

-Capacidade de Endurance: o metabolismo muscular se torna menos eficiente e o indivíduo resiste menos tempo ao esforço.

-Flexibilidade, Velocidade e agilidade: as perdas dessas capacidades são pequenas, ao contrário da flexibilidade que reflete no aumento da ocorrência de lesões em atletas. A flexibilidade pode apresentar redução de até 100% do que foi conquistado após pausa de 10 dias.

- Atrofia: A atrofia muscular é acompanhada pela perda das capacidades de força e elasticidade. No entanto, o músculo requer estímulos mínimos para manter essas capacidades físicas durante o período de inatividade. Com o destreinamento, as perdas da capacidade de endurance do sistema cardiorrespiratório são mais expressivas do que quando comparadas às perdas de força, velocidade, e resistência muscular.

A Memória Muscular Existe? Popularmente é a capacidade do músculo produzir/executar os movimentos do esporte anteriormente praticado, isto favorece o indivíduo ao retorno mais rápido aos seus treinos. Mas sabemos que essa  “memória muscular” é perdida com o destreinamento, pelo menos em termos metabólicos.

O que fica é a lembrança (memória armazenada no cérebro) do padrão do gesto motor que o indivíduo pode resgatar com facilidade, quando tratamos de esporte de Endurance.

Na musculação ocorre diferentemente quanto à memória muscular.

As células musculares possuem mais do que um núcleo, podendo chegar a  centenas de núcleos. Os músculos precisam de um número elevado de núcleos, devidos à células musculares  serem muito maiores e complexas quando comparadas às outras células do organismo.

Por isso, quando a massa muscular é hipertrofiada ( aumenta de tamanho), também é necessário adicionar mais núcleos, que aumentam com a hipertrofia. Após treinado , mesmo em período sem treinamento, o  músculo atrofia ou diminui de tamanho devido à inatividade ou falta de exercício, mas  não há perda de núcleos conquistados durante o período de treinamento nos músculos. Isto significa  que  o músculo treinado mantém a mesma quantidade de núcleos depois de ter parado de treinar, então será  mais fácil aumentar a massa muscular até ao seu tamanho anterior.

Esses núcleos das células musculares parecem agir como “células de memória”, recordando da quantidade de massa muscular que você tinha antes de ter parado de treinar.

Algumas pessoas ainda não são adeptos à musculação, mas a musculação é importante para a saúde e para manter o Shape.

Para a saúde e condicionamento físico impecáveis, mesmo em férias...

MEXA-SE!!!!!!!!!!! Caminhe, dance, surfe, corra, faça barra , flexões, abdominais, mas NÃO FIQUE PARADO!!!!!!!!!!!!!!

Referências

EVANGELISTA, Fabiana de Sant'Anna - BRUM, Patrícia Chakur. Efeitos do Destreinamento Físico Sobre a "Performance" do Atleta: Uma Revisão Das Alterações

Cardiovasculares e Músculo-Esqueléticas;

MCARDLE, William D., Katch I. Frank & Katch L. Victor. - Fisiologia do Exercício. Energia, Nutrição e Desempenho Humano - Ed. Guanabara Koogan S. A. - 4ª Ed RJ

Site www.movimentomuscular.com .br

LARISSA CUNHA © 2017 BE/

Submitting Form...

The server encountered an error.

Form received.

Nesta época do ano é comum as pessoas darem o máximo de si em seus treinamentos visando o shape perfeito para o “verão”.

Às vezes sem cuidados médicos/nutricionais, buscando apenas a estética.  Treinar forte até o Natal ou não Novo é comum, mas o que acontece após estas datas? Quando o objetivo foi alcançado? Muitos simplesmente PARAM... e só voltam após as férias.

Vamos dar uma olhada no ponto de vista fisiológico do nosso corpo, onde a retomada aos exercícios, após as férias,  nem sempre é uma tarefa fácil.

Este período é denominado  período de “destreinamento”. Esta pausa, dependendo da duração, pode causar prejuízos leves até alterações mais severas no organismo e no seu condicionamento físico ou muscular. Então, quanto mais tempo parado, mais seu corpo será afetado.

Os prejuízos dependem de alguns fatores como: o tempo que já estava treinando, histórico alimentar e de treinamento, estilo de vida associado à atividade física. Ainda individualidade fisiológica, frequência, tipo de modalidade e intensidade de treino.

Estudos e pesquisas científicas relacionados a esse tema, apontam que as reduções na capacidade física começam a ser sentidas a partir de 10 dias sem treinamento.

Alguns dados relevantes:

A retirada do estimulo do treinamento produz perdas significativas no condicionamento físico:

Sistema Cardiorrespiratório

-VO2 máx. = diminui 4 a 20% após duas ou mais semanas de inatividade

-Capacidade de força vital (músculos respiratórios) = 35% de diminuição

Metabolismo

Em poucos dias ocorre aumento da produção de lactato em relação à mesma carga de treino (após o destreinamento) indicando maior consumo de carboidratos e menor de gorduras.

Músculos

-Capilarização: retorna aos níveis iniciais (pré-treinamento) em 4 semanas de inatividade, implicando em menor fluxo sanguíneo para as células musculares em atividade e  diminuição  na oferta de oxigênio e nutrientes.

-Capacidade de Endurance: o metabolismo muscular se torna menos eficiente e o indivíduo resiste menos tempo ao esforço.

-Flexibilidade, Velocidade e agilidade: as perdas dessas capacidades são pequenas, ao contrário da flexibilidade que reflete no aumento da ocorrência de lesões em atletas. A flexibilidade pode apresentar redução de até 100% do que foi conquistado após pausa de 10 dias.

- Atrofia: A atrofia muscular é acompanhada pela perda das capacidades de força e elasticidade. No entanto, o músculo requer estímulos mínimos para manter essas capacidades físicas durante o período de inatividade. Com o destreinamento, as perdas da capacidade de endurance do sistema cardiorrespiratório são mais expressivas do que quando comparadas às perdas de força, velocidade, e resistência muscular.

A Memória Muscular Existe? Popularmente é a capacidade do músculo produzir/executar os movimentos do esporte anteriormente praticado, isto favorece o indivíduo ao retorno mais rápido aos seus treinos. Mas sabemos que essa  “memória muscular” é perdida com o destreinamento, pelo menos em termos metabólicos.

O que fica é a lembrança (memória armazenada no cérebro) do padrão do gesto motor que o indivíduo pode resgatar com facilidade, quando tratamos de esporte de Endurance.

Na musculação ocorre diferentemente quanto à memória muscular.

As células musculares possuem mais do que um núcleo, podendo chegar a  centenas de núcleos. Os músculos precisam de um número elevado de núcleos, devidos à células musculares  serem muito maiores e complexas quando comparadas às outras células do organismo.

Por isso, quando a massa muscular é hipertrofiada ( aumenta de tamanho), também é necessário adicionar mais núcleos, que aumentam com a hipertrofia. Após treinado , mesmo em período sem treinamento, o  músculo atrofia ou diminui de tamanho devido à inatividade ou falta de exercício, mas  não há perda de núcleos conquistados durante o período de treinamento nos músculos. Isto significa  que  o músculo treinado mantém a mesma quantidade de núcleos depois de ter parado de treinar, então será  mais fácil aumentar a massa muscular até ao seu tamanho anterior.

Esses núcleos das células musculares parecem agir como “células de memória”, recordando da quantidade de massa muscular que você tinha antes de ter parado de treinar.

Algumas pessoas ainda não são adeptos à musculação, mas a musculação é importante para a saúde e para manter o Shape.

Para a saúde e condicionamento físico impecáveis, mesmo em férias...

MEXA-SE!!!!!!!!!!! Caminhe, dance, surfe, corra, faça barra , flexões, abdominais, mas NÃO FIQUE PARADO!!!!!!!!!!!!!!

Referências

EVANGELISTA, Fabiana de Sant'Anna - BRUM, Patrícia Chakur. Efeitos do Destreinamento Físico Sobre a "Performance" do Atleta: Uma Revisão Das Alterações

Cardiovasculares e Músculo-Esqueléticas;

MCARDLE, William D., Katch I. Frank & Katch L. Victor. - Fisiologia do Exercício. Energia, Nutrição e Desempenho Humano - Ed. Guanabara Koogan S. A. - 4ª Ed RJ

Site www.movimentomuscular.com .br

A SAÚDE NÃO TIRA FÉRIAS! Período de Destreinamento